Início > Uncategorized > Reeducação Postural Global. Só que não.

Reeducação Postural Global. Só que não.

Pois bem. Falamos de heróis, falamos de vilões, de lutas e referências. Como eu sou um poço de imaginação (só que ao contrário), desde a semana passada eu não faço a menor idéia do que seria o tema da minha próxima postagem.

Fazia.

Meu tema para hoje será algo que, embora eu tenha referenciado vááááárias vezes durante meus últimos textos, acabei não falando nada específico. Creio que muitos dos leitores desse blog jogam, mestram, assistem, lêem ou ao menos já ouviram falar de RPG.

Talvez um ou outro leitor desse blog não saiba o que é RPG, então aqui vai um resumão da coisa: RPG (roleplaying game) é nada mais que um jogo em que você interpreta um personagem dentro de uma história narrada por um outro jogador (o mestre). Normalmente um mestre narra a história para um grupo de jogadores, e cada jogador atuando um personagem, fazem um grupo de heróis que vive aventuras imaginadas. Para que a aventura não fique abstrata demais, existem fichas com as informações de cada personagem e testes utilizando dados fazem saber quais ações foram ou não bem-sucedidas: desde atacar um monstro com uma espada até abrir uma porta trancada usando ferramentas. O limite para onde as aventuras podem acontecer e o que os personagens podem fazer dentro das aventuras é o limite da imaginação dos jogadores. Se eu consegui me expressar direito, você deve ter imaginado um jogo de faz-de-conta pra adultos. É mais ou menos isso.

Mulheres jogando RPG? PFFFT

Eu comecei a jogar RPG em um período super trash da minha vida. Era o típico loser na escola, a garota de quem eu gostava (que depois veio a ser minha primeira namorada, olha só) achava que eu era o próximo amigo gay dela, não tinha amigos, minhas notas estavam horríveis e eu morava na casa da minha avó, que na época era o equivalente IRL de Sauron, o Senhor do Escuro. E o RPG meio que me tirou desse fosso.

Antes que isso vire um diário, digamos que o carinha que eu mais odiava no colégio veio convidar um tio meu pra jogar RPG e esse meu tio disse que não queria mas que eu poderia me interessar. O bully maldito virou um dos meus melhores amigos depois daquele dia. Desde a primeira primeira sessão (Harry Potter, me julguem) me apaixonei pelo hobby. Naquela época eu era meio alheio, apenas jogava sem entender muito as mecânicas (e não tinha grana pra comprar os livros básicos de D&D pra aprender mais), mas assim que me mudei para Curitiba comprei o primeiro e segundo números da Dragonslayer. Até comprar essa revista eu não fazia a menor idéia do que era RPG. Apenas com ela eu passei a compreender o que era o Trio Tormenta, conheci inúmeros sistemas e ambientações, aprendi mais sobre edições antigas do D&D, adquiri crivo de julgamento para novos e velhos sistemas e ambientações, li romances baseados em cenários, comprei meus livros (finalmente!) e hoje em dia posso dizer com segurança que tenho conhecimentos sólidos do hobby.

Eles podem espernear, negar e caçoar: mas pode ter certeza que todo RPGista já se imaginou assim enquanto jogava.

“Ok, Thomas, sua história de vida é linda, você merecia aparecer no Programa do Gugu. Mas este é um blog sobre escrita. O que essa atividade demoníaca tem a ver com escrita?”, você pergunta. Minha resposta é simples: tudo.

RPG é, essencialmente, a criação de uma história em conjunto com amigos bebendo refrigerante quente e comendo salgadinhos. RPG é a invenção de um mundo, é a descrição de ações, aparências. É plot twist, é drama e surpresa. Um bom RPG tem história para vários livros. E o pior é que eles realmente existem. Cenários de RPG geram uma literatura sólida e de público fixo, ainda que seleto aos maiores fãs do gênero. Qual RPGista veterano nunca ouviu falar de Elminster: The Making of a Mage? E qual viciado por beholders nunca entrou em uma livraria especializada e ficou babando para os épicos nove volumes de War of the Spider Queen? Eu mesmo sempre uso A Trilogia Tormenta como exemplos nos meus posts.

RPG e literatura andam de mãos dadas, ainda mais se for o tipo de literatura que abordamos aqui na Taverna. Por mais que você não vá encontrar adaptações de Querido John por aí, pode esperar que no próximo número da Dragonslayer teremos uma bela adaptação de Avengers com as mesmas imagens que todo mundo já viu do filme. O Senhor dos Anéis foi o pai dos wargames, jogos de tabuleiro que simulavam guerras, estilo WAR, que por sua vez foram pais do RPG. Indiretamente, RPG nasceu de literatura fantástica. Além disso, estamos vendo hoje em dia que uma boa parte do público de RPG não joga ativamente mas continua consumindo material escrito por puro prazer. Pensando nisso, publicações como o Guia do Mundo de Reinos de Ferro, que unem regras e descrição de ambientação, estão cada vez mais comuns.

E aí, RPGista. Muita nostalgia dos bons tempos de RPG nos sábados de tarde?

Enfim, este post não teve quase nada de aproveitável para o conteúdo comum da Taverna, mas é um tema que deu pra aproveitar. RPG e literatura fantástica andam de mãos dadas, um promovendo e recriando o outro. Se você nunca tentou jogar, dê uma chance (e não se intimide pela aparência dos nerds que irão jogar com você: lembre-se que eles tem mais medo de você do que você deles). Se faz muito tempo que não joga, reúna seu antigo grupo e tire uma tarde de inverno pra revisitar aquele seu meio-orc bárbaro com 3 de Inteligência. Leia material de RPG, leia romances ambientados em RPG, faça versões escritas das aventuras do grupo. E divirta-se, por que se você não se diverte jogando RPG, é por que está jogando errado.


Thomas não joga RPG fazem meses e

irá remediar esta situação domingo que vem.

Anúncios
Categorias:Uncategorized Tags:, ,
  1. Adriano Apenas
    junho 14, 2012 às 1:25 pm

    Alías, esse breve prelúdio de sua historia com o RPG foi interessante, me soou estranhamente familiar. O Hobby, penso, é uma auto-educação muito válida e pouco explorada pedagogicamente ( por que não?) pois as habilidades exigidas para se jogar RPG são muito interativas!

  1. No trackbacks yet.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: