Archive

Archive for the ‘Licença Poética’ Category

Faça boa arte.

maio 21, 2012 26 comentários

Assisti hoje a este vídeo com o discurso que Neil Gaiman deu na cerimônia de graduação de estudantes de arte da Filadélfia. E gostei muito. E tem tudo a ver com quem quer ser escritor, ou quem quer trabalhar com arte. Ou quem quer ter uma vida que valha a pena.

Senti vontade de compartilhá-lo com mais pessoas, e procurei alguma versão em português, mas não achei. Então aproveitei que ele estava transcrito, e traduzi-o.

Compartilho aqui a tradução, para que essa fala que considero inspiradora alcance mais pessoas. 🙂

Edit: fizeram uma tira bem legal com um trecho do discurso. Eis seu início, para dar um gostinho. Se quiser ver o resto, é só clicar na imagem. 😉

(Para a tradução, clique para continuar lendo.)

Leia mais…

As viagens da Tartaruga: estranhos chapéus e lagos congelados

abril 23, 2012 2 comentários

Muito tempo se passou desde que a Tartaruga pôde ir a algum lugar. Perdida entre bolsos de casacos e mochilas, ela já se perguntava se algum dia voltaria a ver a fria luz artificial de algum café de shopping outra vez. Sentia-se presa. Sentia-se inexoravelmente solitária. Abandonada. Sentia-se como Faye: muda, esquecida pelos pais,  sem escolha ou escapatória.

Leia mais…

Para jogar e criar histórias – O sistema de RPG Microscope (parte 1)

março 23, 2012 1 comentário

Alguns de nós da Taverna, além de gostarmos de escrever, também gostamos de jogar RPG. Então começamos a tentar jogar aos sábados, após as reuniões presenciais. No último, resolvemos testar um sistema diferente, sobre o qual Renan leu recentemente e que nos pareceu bem interessante para construir cenários e backgrounds de mundos – ou seja, que poderia ser, além de divertido, útil, contribuindo para as histórias de alguns de nós ou em outros projetos paralelos. Trata-se do Microscope.

Por conta desse aspecto funcional do sistema, achamos que valia a pena falar sobre ele aqui no blog. Vamos abordá-lo em dois posts: neste primeiro, darei um depoimento de como foi nossa experiência com o jogo. Em um próximo (para o qual sumonarei Renan ou Thales), serão tratadas suas regras e funcionamento em si.

Leia mais…

Divagações – The Fantastic Flying Books Of Mr. Morris Lessmore

março 17, 2012 Deixe um comentário

O que faz nossas vidas mudarem e ganharem sentido de fato? Que faísca, chama ou furacão nos atinge e nos abençoa, transformando o que era caos ou rotina indefinidos e feitos por fazer em alguma coisa pela qual lutamos com todas as nossas energias, mesmo enquanto dormimos? Ou, talvez… O que faz nossas vidas ganharem vida?

Pra algumas pessoas, essa mágica vem através da escrita. E para algumas… a salvação são os livros, e todo o seu universo. =] Leia mais…

As viagens da Tartaruga. Ou: até onde vamos em nossas reuniões

março 9, 2012 4 comentários

A Tartaruga

Durante nossa última reunião presencial (sábado passado, daqui a pouquíssimo já temos outra), um intrincado e aleatório conjunto de fatores nos levou a desenhar com açúcar, falar sobre tartarugas, e unir as duas coisas na pessoa dessa pequena tartaruga africana que, na foto acima, se protegia da neve com um guarda-chuva…

Este post é para registrar um pouco do que ocorre quando nos encontramos, e não deixar a história da Tartaruga se perder. Ela veio de muito longe, e gosta muito mais de viagens do que os desavisados poderiam supor. Entretanto, ela precisa de ajuda para isso, e é aqui que entra a ideia do exercício – escolha uma foto qualquer (ou peça para alguém escolher) e se proponha a escrever uma história sobre o conteúdo daquela foto. Se quiser, pode começar com esta aqui.

A Tartaruga agradece. =P

p.s.: composição: Mateus. Foto: Juliana.

Pra assistir

março 7, 2012 1 comentário

Há um tempo que ‘tou pra escrever algo aqui. Mas, por razões distintas das de Tom, não consigo me organizar para fazê-lo. Mas hoje tenho um motivo para contribuir d’outro modo. Assisti a este vídeo do Rubem Fonseca, no qual ele fala sobre as características do escritor – o que alguém precisa ter para ser escritor, ou, talvez, o que encontraremos em todos os escritores.

Claro que lembrei desse nosso grupo. De escritores e loucos, todos temos um pouco. Compartilho então o depoimento do autor de Bufo & Spallanzani. Acho que acrescenta. E faz sorrir. 😉