Arquivo

Posts Tagged ‘Escritores’

O que um Escritor NÃO deve fazer. [Parte 1 – O Escritor]

Não, não, não!!!!!!!

Eu amo blogs. Sou uma viciada (mas estou em recuperação), mudava de blog a cada três meses, no máximo, e agora já canto vitória com um que tem um ano. Como escrever é um mix de vício e desabafo é impossível não soltar todo o seu talento criativo ali naquele espacinho pessoal/público. É delicioso, te dá um poder enorme e pronto: você saiu do armário via blog, você agora é um Escritor (o mesmo vale pros sites de fotos,  com vlogs e por aí vai) um formador de opiniões e com voz e espaço pra escrever tudo o que quer e inclusive mostrar seu talento literário.

Só que não.

Temos que ter limites e lembrar que ser um Escritor é muito, muito mais coisa que cuspir todos os seus sentimentos/cotidiano/nonsense em palavras no seu amado blog.

Então vamos a listinha:
Primeiro: Defina o que você quer das suas palavras. O fato de você ter um blog não quer dizer que você é um Escritor, uma fanfiction postada em um site de fanfictions também não. Você pode criar um blog pra falar besteiras, contar piadas, comentar notícias e criar poemas de jardim de infância. Você não DEVE se considerar um escritor por isso, qualquer pessoa alfabetizada tem essa capacidade e seu blog não merece um livro, um Pulitzer ou a minha atenção se você ainda não é um escritor.

Depois de decidido que você vai ter um blog que terá suas histórias (nesse ponto você já descobriu que gosta de escrever histórias) publicamente apresentadas você precisa levá-lo a sério (e eis meu grande divisor de águas, em experiência pessoal é a primeira vez que vou criar um blog meu que será totalmente voltado para o que eu escrevo). Então nada, eu disse NADA, de contar piadinhas, fazer de diário, comentar notícias de celebridades ou qualquer coisa não relacionada com o que você se propôs a escrever. Perde a credibilidade, foge a linha de raciocínio, desinteressa o leitor e desestimula o acompanhamento. Caso queira, tenha um blog pessoal, fale todas as suas besteiras lá, vomite imbecilidades e incongruências você TEM todo o direito, mas não no blog onde você se propõe a escrever e ser levado a sério pelo que escreve. Deve ser pensado que as pessoas vão começar a se interessar pelo que você posta, acompanhar a sua evolução (a sua carreira posteriormente) e você se tornou dono de um veículo independente de informação cultural e tem responsabilidades com ele (viva o Tio Ben, do Homem Aranha).

Ótimo! Você agora tem um blog pra chamar de seu! Sinta-se importante.
Mas tenha limites.

Como Thales muito sabiamente colocou na reunião virtual de hoje (31-05-12) há um efeito bizarro que acontece com os autores ruins (entre outras pessoas incapazes) que se chama Efeito Dunning-Kruger , onde indivíduos incapazes sofrem de superioridade ilusória, avaliando erroneamente suas habilidades como muito melhores do que realmente são.  Isso é atribuído a uma inabilidade metacognitiva desses individuos de ter capacidade o suficiente de reconhecer seus próprios erros.
O que quero dizer com isso? Que a pessoa é tão ruim que nem enxergar a cagada que está fazendo consegue, nem pintada de roxo com bolinhas amarelas.

Por outro lado, tem o indivíduo altamente capaz, que enxerga tão bem seus próprios defeitos que tem vergonha de concluir o feito (o conto, o livro, a situação) por se achar inapto. Não é interessante?
Caro coleguinha pretensioso, como nós do trapeixe: Não caia nesse efeito!
Enxergue seus defeitos e não considere-se superior ao fazer uma piadinha de meme no seu blog. Você certamente entrará no top 10 fracassos do ano, junto com as mulheres fruta e os ilustres desconhecidos de reality show.

Segundo: Você começou a escrever, tá bombando de comentários, chegou nos 35 capítulos e tudo que você ouve é “UAU, adoreeeeei, escreve maaaais, vc é minha Stephenie Meyer, minha Thalita Rebouças, ti amuuu” da galerë de 14 anos que te idolatra e acompanha fielmente. Você se considera não só um Escritor, mas “O ESCRITOR”.

Só que não.

Bora acalmando o seu coraçãozinho adolescente, pra escritor ainda falta muito. E parte essencial é ler. Ler aumenta seu vocabulário, impede a dislexia braba que a galerë tem desenvolvido aí, te torna mais inteligente, mais crítico, mais sexy e mais interessante.
Mas nem todo pretensioso lê. E mesmo assim insiste em auto intitular-se “O ESCRITOR”. Você está fazendo isso MUITO errado.
Sou extremamente crítica e altamente chata com tudo que eu leio, e não-sou-a-única. Postei uma vez um texto no skoob que vou colar aqui pra ilustrar.

“No Brasil tem leitor. Mas infelizmente os leitores não são de qualidade. Como assim a culpa é do leitor? Claro que é. Não tem qualidade o leitor que não percebe os erros e a falta de capacitação do autor que escolheu pra ler. O autor pode ser ruim, mas o leitor também o é ao aceitar e idolatrar autores que como ele, um dia foram péssimos leitores.

Mas como ainda não podemos mudar os leitores, tentaremos forçar na mente dos autores que NÃO SE DEVE ESCREVER 200 PAGINAS DE BOBAGENS e publicar. Uma história começa com uma idéia, mas UM LIVRO é muito mais que uma idéia. É uma construção, um processo de aprendizagem eterno e constante.

Vejo autores brasileiros que tem um enorme potencial, mas que não sabem escrever porque não sabem ler!
Os personagens são superficiais e vazios, a adaptação do tempo espaço com frequência apresenta erros e principalmente a narrativa vem com 29834378 assassinatos da gramática de meu amado português brasileiro.

Por favor, leiam e estudem antes de escrever, se dediquem MUITO antes de publicar.”

Acho que nem preciso comentar, cometo sincericídios mesmo.
Porém há (como Juliana, Thales, Rebeca, Renan e Heitor) leitores de muita qualidade, com uma grande bagagem e uma boa compreensão sobre livros. O suficiente para não confundir um escritor com um pretensioso ato falho. Escrever, ao contrário da opinião de alguns grandes idiotas autores-de-romance-de-banca-de-jornais, exige técnica sim. Exige esforço, disciplina, sacrifício e acima de tudo ser um bom leitor. Se você não sabe ler, meu caro pretensioso, como acha que vai saber escrever? Se está limitado aos livros da moda (não sendo O Senhor dos Anéis, que não gosto mas assumo ser uma obra  prima digna de prêmio Nobel da Paz) você não terá capacidade o suficiente para distinguir um livro bom de um livro ruim, vai se basear no livro ruim e vai escrever ainda mais porcarias, e acredite, o mundo não precisa delas, já temos tv aberta.

E para finalizar esse já imenso post (parabéns ao bravo guerreiro pretensioso que chegou aqui, você está no caminho que começa com a perseverança) mas não menos importante.

Terceiro: Você leu muito, escreveu pacarai, descobriu a diferença entre o bem-escrito e a vergonha alheia, os comentários no seu texto agora incluem ávidos leitores de coisas interessantes, reúnem deliciosas críticas construtivas, você é um escritor!

Só que não.

O trabalho acabou de começar. O que listei aqui, até agora, é só uma parte minuscula do trabalho que é ser um escritor. São passos simples pra ter noção e bom senso antes de querer publicar algo. Você chegou na base da pirâmide, parabéns, 60% da população mundial não tem bom senso o suficiente pra chegar até aqui e fica passeando pelo mundo tipo nêutrons. Agora você percebeu que tem um longo, estúpido e cruel caminho pela frente. Não basta ter senso crítico pra se tornar um bom escritor, você não pode abrir mão do que outros escritores tem a lhe ensinar. Precisa aprender tecnicas, estudar mercado, descobrir sua “musa”, perseverar, estudar gramática.

Estudar gramática.

Paragrafo único:
É proibido ter erros de português. E não incluo erros de digitação, falo de erros ortográficos graves, erros de concordância. É SIM, proibido. Ninguém está te pedindo que decore detalhes e nunca erre, isso é humanamente impossível. Mas tenha total atenção ao que faz, erros grosseiros denigrem sua imagem, a imagem da editora, a imagem do revisor e por aí vai.

Me despeço aqui com a certeza no coração e aguardando as críticas cruéis dos “OZADOS” pretensiosos que me lêem com tomates na mão. Nos vemos no próximo episódio de “O que um Escritor não deve fazer”.

***

Thálatta (Bellatrix) Monteiro é aluna de História da UFRRJ, pretensiosa do Trapeixe, mãe de 34 animais e ativista nas horas vagas.

Faça boa arte.

maio 21, 2012 26 comentários

Assisti hoje a este vídeo com o discurso que Neil Gaiman deu na cerimônia de graduação de estudantes de arte da Filadélfia. E gostei muito. E tem tudo a ver com quem quer ser escritor, ou quem quer trabalhar com arte. Ou quem quer ter uma vida que valha a pena.

Senti vontade de compartilhá-lo com mais pessoas, e procurei alguma versão em português, mas não achei. Então aproveitei que ele estava transcrito, e traduzi-o.

Compartilho aqui a tradução, para que essa fala que considero inspiradora alcance mais pessoas. 🙂

Edit: fizeram uma tira bem legal com um trecho do discurso. Eis seu início, para dar um gostinho. Se quiser ver o resto, é só clicar na imagem. 😉

(Para a tradução, clique para continuar lendo.)

Leia mais…

Criação de Personagens Orientada a Perguntas – parte 5 – trabalho e hobby

março 30, 2012 1 comentário

Tendo criado a necessidade imperiosa do personagem e respondido perguntas que a rodeiam, já é possivel ter uma ideia de como o personagem se comporta, do que ele precisa e, em geral, que tipo de pessoa ele é. Mas ainda assim existe muito o que ser delineado, pois a maior necessidade de uma pessoa, embora mostre como ela se comporta e o que ela busca com maior afinco, do que sua alma precisa, não diz como funciona sua vida, o que ela já tem e, em geral, aquilo que viveu.

Esta etapa da criação começa a tratar sobre tais caracteristicas. Observando tanto o trabalho quanto o hobby de um personagem faz com que as poucos se vá descobrindo a vida corriqueira do personagem, as  habilidades que ele possui, seus conhecimentos em geral e aquilo que gosta de fazer por lazer.

Leia mais…

Divagações – The Fantastic Flying Books Of Mr. Morris Lessmore

março 17, 2012 Deixe um comentário

O que faz nossas vidas mudarem e ganharem sentido de fato? Que faísca, chama ou furacão nos atinge e nos abençoa, transformando o que era caos ou rotina indefinidos e feitos por fazer em alguma coisa pela qual lutamos com todas as nossas energias, mesmo enquanto dormimos? Ou, talvez… O que faz nossas vidas ganharem vida?

Pra algumas pessoas, essa mágica vem através da escrita. E para algumas… a salvação são os livros, e todo o seu universo. =] Leia mais…

Criação de Personagens Orientada à Perguntas – Parte 3 – A Pirâmide de Maslow

Todo personagem, toda pessoa, possui necessidades e anseios. Em parte isso é os faz seguir em frente, continuar com suas vidas e fornecem uma espécie de guia que incitará suas buscas e moldarão seu futuro. Talvez a caracteristica mais inerente aos seres humanos seja a ambição, pois este sentimento nunca se desfaz, sempre se mostra presente nos pensamentos e nos sonhos. A ambição faz com que se queira melhor a situação atual, que se precise descobrir uma nova forma de se realizar as coisas, seja por um motivo de vida ou morte ou por simples prazer em desvendar o mundo. A ambição também leva a vontade da escrever a um pretenso escritor, seja qual for os motivos por trás disso, uma necessidade de se exprimir, a vontade de ser conhecido ou o prazer de contar histórias.Assim como os seres humanos, os personagens tem seus planos, objetivos ou vontades que se esforçam em negar.

Leia mais…

Pra assistir

março 7, 2012 1 comentário

Há um tempo que ‘tou pra escrever algo aqui. Mas, por razões distintas das de Tom, não consigo me organizar para fazê-lo. Mas hoje tenho um motivo para contribuir d’outro modo. Assisti a este vídeo do Rubem Fonseca, no qual ele fala sobre as características do escritor – o que alguém precisa ter para ser escritor, ou, talvez, o que encontraremos em todos os escritores.

Claro que lembrei desse nosso grupo. De escritores e loucos, todos temos um pouco. Compartilho então o depoimento do autor de Bufo & Spallanzani. Acho que acrescenta. E faz sorrir. 😉